CLUBE DE ASTRONOMIA DE FORTALEZA

  • E-mail para contato:(casf.fortaleza@gmail.com)

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

UM INTELECTUAL PRECURSOR DO EINSTEIN NO CEARÁ


A imagem pode conter: árvore, céu e atividades ao ar livreA imagem pode conter: uma ou mais pessoas e fumando 

 (Nas fotos acima a a esquerda imagem do prédio que ainda existe na UFC do Benfica(CH 2), a conhecida torrinha onde funciona o C.A. da psicologia e a direita foto do intelectual cientista e filósofo João Miguel da Fonseca Lobo.)

Fontes: http://maladeromances.blogspot.com.br/2014/01/o-vaqueiro-chico-viana-e-o-einstein-do.html

http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=544663

O estado do Ceará no campo das ciências, não ficou nada a dever ao resto do país com relação as discussões científicas; as mesmas tivera bastante destaque por aqui no século XIX e início do XX. A astronomia e as ciências no geral, eram bastante discutidas por intelectuais da época. Vale ressaltar nomes que fizeram parte do instituto do ceará e da padaria espiritual como Antonio Teodorico da Costa, Hildebrando Pompeu de Sousa Brasil, Otacílio de Azevedo, Rodolfo Teófilo e também um intelectual pouco conhecido do público, mas que deveria ser lembrado porque em sua época, elaborou e previu teorias que mais tarde o próprio Einstein veio a formular (1905) e ter sua comprovação inicial em 1919 em Sobral. Trata-se de "João Miguel da Fonseca Lobo", que, devido as suas ideias, ficou conhecido na época como o "EINSTEIN CEARENSE" como descreve seu bisneto Newton Lobo:


Há mais de cem anos, dissertando o astrofísico cearense Fonseca Lobo acerca da formação dos sistemas planetários, asseverou, com precisão matemática, através duma ótica cosmológica insólita para a época (sequer existia o termo astrofísica), que "os planetas se formam a partir de partículas tenuíssimas de cores variadas. ... Num movimento oscilatório da periferia para o centro e do centro para a periferia, como se atraindo e se repelindo ao mesmo tempo". Cem anos após(1995), o poderoso telescópio espacial Hubble fotografou mais de 150 estrelas em formação. Constatando a existência de discos de poeira e gás em torno dessas jovens estrelas (um milhão de anos).

                                                                                                                         (Newton Lobo op. cit.)

Esse pensamento para a época, enquanto a ciência se desenvolvia, foi bastante revolucionário. Fonseca Lobo segundo sua biografia, enriqueceu indo para a Amazônia, e ao voltar para o Ceará, adquiriu muitas terras na Região Metropolitana e em Fortaleza. Seu local de moradia na área urbana era próximo às propriedades da família Gentil a conhecida "Villa Angelita", da qual ainda resta a "torrinha" no centro de Humanidades II onde hoje abriga o C.A. da Psicologia.

Fonseca Lobo foi membro do Instituto Histórico e Antropológico o Ceará e é citado em várias publicações da revista do instituto.
Publicou algumas obras como:

"A Camponesa”

"A Velha Macrobiana"

"A Hipotipose do Mundo"

Fonseca Lobo como muitos cientistas e intelectuais da época, era ligado ao espiritismo, assim como foi o astronomo "Camille Flamarion".Muitos intelectuais do começo do século em suas obras e como filosofia de vida pessoal, adotaram o Kardecismo como algo que os ajudavam a pensar além. Há quem formule a hipótese de que cientistas como eles não ficaram mais conhecidos justamente porque em suas obras havia pensamentos e ligações com a doutrina espirita.

Aí vocês me perguntam: Fonseca Lobo fazia observações astronômicas na torrinha? Bom, segundo Newton Lobo, muito provavelmente ele usava sim a torrinha para observações.


"Realmente a torrinha era usada para observações, creio que ainda há uma Rosa dos Ventos no teto, naturalmente usada para determinação dos pontos cardeais, o que seria um auxílio para a observação do céu, não sei se a olho nu ou através de um pequeno telescópio".

                                                                                                                            (Newton Lobo op. cit.)

Ele cita que lá havia inclusive uma rosa-dos-ventos no seu terraço para determinação dos pontos cardeais, assim como foi feito no Observatório do professor Claudio Pamplona (OAHE)-Observatório Astronomico Herchel-Einstein.
Ainda há muito o que pesquisar sobre esse cientista tupiniquim. Convido com esse pequeno texto, aos curiosos e pesquisadores de plantão, a pesquisarmos mais detalhes, e também a resgatarmos o patrimônio histórico que é a torrinha da UFC que a cada dia que passa, vem se deteriorando cada vez mais. Pesquisemos e preservemos nossos prédios históricos. Eles tem muita história para contar.



Por: George Yure de A. Castro, professor e membro fundador do CASF(Clube de Astronomia de Fortaleza)

domingo, 27 de novembro de 2016

Astrônomos amadores cearenses flagram objeto brilhante cruzando os céus de Paramoti





Equipe Casf desta observação: (Paulo Régis, Tatiana, Hilbernon, Dennis, Leiliane, Nivardo, Evandro e Evandro Filho)



 Imagem do site: http://www.bramonmeteor.org/bramon/bramon-registra-primeiro-earthgrazer-de-2015/

Membros do Clube de Astronomia de Fortaleza (CASF) observaram na noite de 26 de novembro (sábado) um objeto brilhante atravessando o céu de Paramoti, cidade do interior do Ceará, localizada a 99 Km de Fortaleza. O objeto foi inicialmente avistado pela equipe de astrônomos amadores às 19h 41min, horário local, vindo da direção norte, mais precisamente da constelação do Touro, numa região do céu próxima às Plêiades (um aglomerado de estrelas popularmente conhecido como “sete-estrelo”). Além de ser muito brilhante, chamava a atenção pela cor amarelo-alaranjada ou ocre, com o formato mais ou menos esférico e acompanhado de uma curta cauda. À medida que o objeto ganhava altura e se deslocava mais para o sul, foi desenvolvendo uma longa e bem delineada cauda, formando uma bela imagem que lembrava o aspecto típico de um cometa. Ao atingir a parte mais alta do céu, o tamanho da cauda do objeto se entendia por aproximadamente 7 graus, ou cerca de 15 vezes o diâmetro aparente da Lua cheia.

Ao longo de sua trajetória, os 6 membros do clube (Hilbernon, Dennis, Leiliane, Nivardo, Paulo e Tatiana) não observaram nenhuma explosão, variação súbita de brilho ou fragmentos se soltando. Pelo contrário, o objeto manteve por vários segundos um aspecto contínuo, enquanto seguia em linha reta um movimento suave rumo ao horizonte sul. Ao se distanciar dos observadores, o objeto foi aos poucos se esmaecendo e perdendo a cauda, até apresentar um aspecto pontual brilhante cerca de 5 graus acima do horizonte, quando então foi visto desaparecendo lentamente por detrás da linha de telhados das casas da vizinhança. No total, o avistamento durou cerca de 40 segundos.

Pelas características observadas, este fenômeno muito provavelmente deve se tratar de um meteoro do tipo rasante, conhecido pelo termo em inglês “ Earth grazer”, isto é, “que arranha a Terra”. Meteoros desse tipo surgem a partir de um pequeno corpo celeste rochoso e/ou metálico, que se aproxima do nosso planeta numa trajetória “rasa”, ou tangencial. Isso faz com que ele apenas “raspe” as porções mais altas da atmosfera (podendo formar longas caudas) mas sem chegar a adentrar plenamente nela, o que o desintegraria por completo. Eventualmente podem até retornar para o espaço e continuar assim suas solitárias jornadas em torno do sol. Meteoros desse tipo podem ser vistos de uma zona geográfica relativamente vasta, dada a grande altura e o forte brilho envolvidos. No caso em questão, já há relatos nas redes sociais de avistamentos em data e hora compatíveis em várias cidades do Piauí e Ceará. “Earth grazers” costumam ser notados logo antes do amanhecer ou logo depois do sol se por, como também aconteceu neste caso. É possível, ainda, que este bólido tenha relação com a chuva de meteoros Geminídeos, que ocorre todos os anos em dezembro.

O CASF, clube formado por entusiastas pela Astronomia de Fortaleza e região metropolitana, se reúne regularmente em locais com baixa poluição luminosa, como é o caso do sertão cearense, para fazer observações do céu noturno a olho nu e com instrumentos, como binóculos e telescópios. Infelizmente, dessa vez, não foi possível registrar em vídeo ou fotografia o fenômeno da noite do último sábado, pois o grupo naquele momento havia acabado de chegar no local de observação.

Por Hilbernon Almeida Filho(Presidente do CASF)

Imagens da Super Lua

No mês de novembro, o espetáculo foi por conta da super lua que pouca gente achou diferente.A lua apenas atingiu seu perigeu mais próximo em 70 anos.Para os astronomos que puderam visualizar o fenômeno, pelo menos nas bordas foi talvez possível observar algum detalhe a mais, mas de qualquer maneira, a lua é e sempre será uma astro atraente para a humanidade a para os namorados.





http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/fotos/2016/11/superlua-leitores-enviam-fotos-do-fenomeno.html#F2233377

domingo, 29 de março de 2015

Nova em Sargitário



Uma estrela na constelação de Sagitário apresenta desde o último domingo um aumento súbito de brilho, atualmente com magnitude 4,9 e é facilmente visível com binóculos. Não se sabe até quando a estrela continuará aumentando de brilho e que magnitude vai atingir. Foi descoberta pelo australiano John Seach em 15 de março e recebeu a designação de Nova Sagittarii 2015 No. 2.
Uma Nova clássica é uma estrela anã branca em cuja superfície ocorreu uma explosão por fusão de hidrogênio, geralmente causada por acréscimo súbito de material arrancado de uma estrela companheira menos massiva.
Análises espectrais revelaram linhas de emissão provenientes do material ejetado se expandindo a cerca de 2.800 quilômetros por segundo.
Sagitário é atualmente visível na direção sudeste pouco antes do amanhecer.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Astronomia Amadora - Vídeo 2

Neste vídeo temos:
Conjunção Vênus - Mercúrio, Cometa C/2014 Q2 Lovejoy, Astrofotografias, CASF - Clube de Astronomia de Fortaleza, Clube de Astronomia de Hidrolândia, Stellarium.


Abertura do canal de vídeo que trata de Astronomia Observacional Amadora

Um projeto simples, mas que poderá ter um grande significado. A ideia é falar sobre as efemérides astronômicas de forma acessível, indicar o que pode ser visto no céu a olho nu e com equipamentos de fácil aquisição. Conjunções, alinhamentos, chuvas de meteoros ou eclipses são acessíveis para a maioria de nós, moradores dos centros urbanos. Este é apenas o vídeo introdutório. A dinâmica ainda vai sendo ajustada. Espero poder contribuir positivamente.
Apresentação: Lauriston Trindade


segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Chuva de Meteoros Orionídeos

Em outubro teremos a chance de observar a chuva de meteoros Orionídeas e segundo os astrônomos, o Hemisfério Sul terá o melhor ponto de observação do mundo. Se você estiver no lugar certo, na hora certa e olhando na direção correta, você poderá ver até 20 meteoros por hora no Hemisfério Norte ou até 60 ou mais por hora no hemisfério sul. Será a segunda vez no ano que ocorrerá esse fenômeno que tem origem na passagem da Terra pela poeira e detritos liberados pelo cometa Halley (nota: a primeira foi a Eta Aquarids, em maio). O ponto de onde os meteoros serão irradiados está localizado dentro da constelação de Orion.

A chuva de meteoros Orionídeas geralmente começa em 15 de outubro e vai até o dia 29 do mesmo mes. O pico da chuva pode durar duas ou três noites aproximadamente, entre 21 a 23 de outubro.
Nota: Chuvas de meteoros conhecidas popurlarmente como estrelas cadentes, ocorrem periodicamente, sempre que o planeta Terra atravessa a órbita de algum cometa. No entanto, a intensidade das chuvas é sempre diferente.

Lembrando que a de maio é a Eta Aquarids, e a de outubro, a Orionídea.

Vá para fora, encontre um local escuro e olhe para Nordeste (NE) a Leste (L), perto da constelação de Orion, como mostra o mapa celeste acima. Essa chuva de meteoros são para os madrugadores. A melhor horário para ver as Orionideas é entre 00:00h até o amanhecer. O radiante é “próximo” e estrela Betelgeuse em Orion.

A maioria dos meteoros parecem vir de um determinado ponto no céu, o chamado radiante. As chuvas de meteoros comumente recebem o nome da constelação em que o radiante é encontrado, e ocorre anualmente durante um período de tempo bem definido. No nosso caso as Orioniadeas parecem se originar na constelação de Orion, mas fica só nisso, na verdade essa chuva não vem de Orion, portanto a constelação é apenas um ponto de referência no céu.
Fonte: bussoladeplasma.wordpress.com